domingo, 24 de maio de 2015

Estrada da Petrobrás com a Irmandade Tenere! 23/05/15!

Estava procurando o que fazer no fim de semana quando vi o evento da Irmandade Tenere que ia passear pela estrada que tanto conheço. Resolvi ir junto!

Eu e o amigo Diolan fomos de Taubaté e o resto do pessoal saiu de São Paulo.

Eu e o Diolan paramos no posto em Salesópolis para esperar o pessoal de sampa. Enquanto comia um pão de queijo, eles chegaram, desistiram de parar e apesar dos nossos gritos continuaram a andar. Pagamos a conta correndo e saímos em disparada para alcançar eles.

Conseguimos chegar neles na entrada da estrada de terra, onde paramos para fazer a primeira foto do grupo e eles nos conhecerem também.
Galera excelente!
Pouco antes do começo da estrada proprimente dita tivemos um problema com a Xt600, que soltou o pedal do câmbio. Nós quatro estávamos mais à frente e apenas aguardamos arrumarem a XT.




Seguimos o passeio, passando pela pedra do gato, e lamentando que fecharam todas as áreas ao redor da estrada, onde dava pra brincar com a moto ou subir pra comer um lanche.



Uma parada no mirante pra fazer umas fotos legais!




Reparem que só a honda não conseguiu cavocar o chão hehehehe brincadeira




QUando chegamos na ponte de madeira, logo após o posto da petrobrás, paramos para tirar algumas fotos e esperar o pessoal alcançar a gente (eu estava bem animado e andando relativamente rápido). Pela primeira vez adentrei a trilha que leva a cachoeira lá atrás, lugar sensacional, muito bonito! Esse tipo de coisa que faz valer os passeios!!!






Molhamos a cabeça, tomamos água do rio, esperamos, esperamos mais, e nada do pessoal chegar. Resolvemos voltar e ver o que tinha acontecido.
Ficamos sabendo que o companheiro da Xt havia se acidentado, e no acidente perdido os dois freios da moto. Ainda faltavam 30km até caraguatatuba!
Acabaram trocando de moto, ele pegou uma Tenere 250 e o da Tenere foi levando a moto dele.
A partir daqui, já era tarde e o pessoal estava meio impaciente, então seguimos logo.


Pouco mais pra frente, o bicho pega. Durante o rolê vimos algumas faixas dizendo que a estrada estava interditada. O pessoal que passou por nós de carro estava voltando, mas os de moto não.
As motos conseguiam passar por uma trilhazinha ao lado da obra. Infelizmente não tirei fotos d trilha, estou esperando outro participante postar e coloco aqui.
A trilha era pequena, uns 300m mas tinha uma descida bem íngreme e uma pinguela no final, e logo após ela, uma subida totalmente cheia de lama!
Primeiro passamos a xt, com ajuda, já que não tinha freio nenhum. Depois a Te660. As 250/300 desceram sozinhas.

No final foi assim:

Foto do Diolan!
Daqui pra frente foi mais fácil, sei que teve mais uma queda da tenere branca e uma da tornado. O pessoal já estava com pressa e nem paramos no viaduto fantasma para uma foto do pessoal todo.


No fim, chegamos em Caraguá as 15:40 tendo entrado na estrada às 10h. Almoçamos um PF muito bom, achamos uma oficina aberta onde deixamos a XT pra arrumar e logo após o almoço, eu e o Diolan subimos a serra para terminar nosso passeio.

O rolê foi muito bom e a turma é sensacional! Valeu o dia!

domingo, 17 de maio de 2015

Rolês offroad de maio!

Seguem algumas fotos dos rolês offroad que fiz esse mês, sempre por perto de casa (Taubaté-SP).

Qualquer dúvida estou a disposição!


Cachoeira do caipira em Pinda


Vista ´pica a caminho de São Luís do Paraitinga







O Rolê saiu de taubaté, passou por Pinda, Lagoinha e São Luís do Paraitinga, total rodado 120km.

terça-feira, 21 de abril de 2015

Perto do ninho

Boa noite pessoal!

Hoje fomos dar uma voltinha perto do ninho só pra não criar teias de aranha, pois a $ituação está complicada.

Seguem as fotos:
Primeira parada: Pico Agudo, em Santo Antônio do Pinhal. Visual top!

Seguimos para o almoço no famoso restaurante da pedra do baú, mas a qualidade lá já não é mais a mesma. Pelo menos o visual não mudou!


Ainda na pedra do baú, vista do restaurante.

Na estrada entre São Bento do Sapucaí e Campos do Jordão.

No horto de campos, parada final

No horto de campos.


No final muita chuva descendo a serra e nada de capa de chuva. Um bom dia de passeio :)

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Rolêzinho de páscoa!

E aí pessoal!

Nessa páscoa acabamos ficando em casa, devido ao tempo e a uma série de compromissos.

Mas pelo menos aqui na cidade segunda feira 06/04 é feriado, sendo assim aproveitei e fui dar uma voltinha de última hora.

O dia amanheceu chato e chuvoso, o que havia me desanimado. Mas logo o tempo virou, subi na moto e fui esvaziar a cabeça. Incrível como melhora a cabeça.

Não tinha nada definido, nem roteiros, nem horários.

Resolvi seguir pela dutra, subir a estrada do Gomeral, que liga Guaratinguetá a Campos do Jordão por terra. Já a fiz algumas vezes mas nessa fui surpreendido. Veja você mesmo nas fotos abaixo:

Nas nuvens, literalmente!

Sensacional!


Engraçado foi que eu encontrei alguma dificuldade no trecho. as pedras estavam muito escorregadias e teve até uma subida enlameada que para conseguir passar, tive que ir empurrando a moto!!!
De ladinho!
Olha o tamanho da subida, a moto não tinha aderencia nenhuma, podia soltar a embreagem em primeira que ela ficava patinando...
Mal sabia o que me aguardava pela frente.

Essa estrada termina a poucos metros da entrada do Horto Florestal de Campos do Jordão. Ou seja, resolvi atravessar o parque sentido MG, já que essa parte eu não conhecia ainda.

Ali já estava mais complicado, o terreno mudara - agora era apenas lama, não haviam pedras para ajudar a dar aderência.

A confiança que eu estava cobrou seu preço numa curvinha que não tinha nada, mas estava lisa feito um quiabo. E um terreno em Campos do Jordão eu comprei:
Não fez nada, nem no protetor. Só riscou meu orgulho mesmo (e minha perna)!
Levantamos e seguimos, com mais cautela agora!
De Campos do Jordão, o caminho leva a Wenceslau Brás. De lá segui a Delfim Moreira por um trechinho de asfalto, e Marmelópolis por asfalto/bloquete.

Em Marmelópolis eu já queria almoçar, mas não tinha nada aberto na cidade. Vendo no GPS, pensei em seguir um caminho que passava perto do Pico dos Marins, para parar e fazer um lanche com um visual legal.

Fui subindo o morro com uma dificuldade tremenda, como se a moto não tivesse força. E a sensação era de que a moto estava fraca mesmo depois, já no plano.

Na curva percebi que a moto já não me obedecia mais. O freio, idem. as chuvas dos últimos dias criaram uma camada de lama "invisível" que tornou praticamente impossível passar de moto ali (essa estrada é tão pouco usada que não tinha marca nenhuma de pneu, apenas de ferraduras de cavalo, e de um só). Voltei quase andando pra sustentar a moto.

Escolhi outro caminho e segui.

Até próximo do camping do Sr. Maeda (base de quem quer subir o Marins) a estrada estava boa, andava em ritmo bom e pouca lama, nada como a outra estrada.

Aí a estrada foi minguando, começou a aparecer mato no meio da estrada (nesse momento, não era um bom sinal), mas como faltavam apenas 5km para a próxima conexão da estrada resolvi seguir.

Ah, se arrependimento matasse. Entrei num lamaçal onde já era impossível de fazer a volta. Nessa hora o nervosismo foi tanto que acabei não tirando fotos e a gopro já estava sem bateria. Foi uma hora e meia para vencer 5km. Teve lamaçal onde a moto entrou até o eixo da roda, teve descida íngreme completamente enlameada... Olha, eu sou acostumado com offroad seco, raramente pego lama. Isso aí foi técnico+superior+ pós-graduação.

Na hora que a estrada converge com a principal que vem de PassaQuatro a situação melhora muito, mas ainda assim não conseguia andar rápido, a pista estava muito escorregadia.

Cheguei em Passa Quatro - MG as 14:30h, tendo saído as 07:00h de Taubaté. posso dizer com certeza que foi o offroad mais pesado que já fiz até hoje, nem na Canastra apanhei tanto.

Parei no memorial da Revolução de 32 no alto da serra, fiz um lanchinho e segui para casa finalizar o dia.

Vou tentar fazer o roteiro no wikiloc e se conseguir posto aqui. Foram 180km offroad e um total de 380km rodados.






Fechando as férias - PARNA Itatiaia

E aí pessoal!

Pra fechar (até que enfim, não? kkk) com chave de ouro os passeios de férias, ultima parte!

Voltamos de São Thomé e no dia seguinte saímos para um bate-volta no Parna Itatiaia. Tão perto de casa (100km) mas nunca consegui ir visitar.

Fui de coxinha com meu irmão Bruno.

Não tem segredo por lá, pra quem não sabe, esse é o parque nacional mais antigo do brasil, é muito bem estruturado e diferente dos outros que já visitei.

Paga-se R$14 pela entrada, e não pode sair depois das 17h (paga multa). A estrada até as cachoeiras tem cerca de 10km e é asfalto ruim.

Ponto do Adeus, mirante da estrada

As três cachoeiras ficam praticamente juntas (uns 400m uma da outra) o caminho é muito bem organizado, com calçadas e pontes. Nada "roots" como a canastra por exemplo.

Dá pra levar a vó hehe
 A primeira cachoeira que visitamos foi a véu de noiva (o nome sem criatividade viu), onde ficamos um bom tempo relaxando com a massagem das águas super geladas)


Segunda cachoeira, dá pra usar de tubogã kkk os gringos estavam a toda ali. Eu fiquei só boiando no gelo.


Ultima cachoeira, mais perto da estrada e mais farofada (essa estava cheia)

O parque é sensacional, até esquecemos de almoçar. É como tomar banho de água mineral, dá pra enxergar o fundo do poço (e deve ter uns 6 ou 7 metros), a água é MUITO, mas MUITO gelada MESMO, no verãozão estava uma delícia (lembrei dos finlandeses que pulam da sauna direto pro lago congelado, deve ser a mesma sensação hahaha).

Chegamos umas 9h, as 14h já estavamos a caminho de casa.

Vale muito a pena. Numa próxima gostaria de fazer o trekking mais básico do parque, talvez agora no inverno dê. Tem muita coisa pra andar por lá, mas a maioria exige pelo menos o básico na escalaminhada e muita disposição (que com 40° nao existia)

Recomendo!